5 dicas básicas para você começar a beber vinho (e gostar)

Alguns não sabem, mas estou criando um projeto (na verdade, fazendo ele ter mais destaque aqui no site e também nas redes sociais), que se chama Enobacana. Ele já existe aqui no nosso site do Viagens da Talita, mas estou colocando água (ou vinho) na plantinha para ele crescer. É como se o Viagens da Talita fosse o projeto mãe que tem vários filhotes. Um desses filhotes, se chama Enobacana. Neste projeto, vou direcionar todo o conteúdo a respeito do universo dos vinhos. Tudo sobre vinhos (e mais um pouco), vou compartilhar lá. Na verdade, quero escrever e criar conteúdo sobre vinhos, destinos enológicos, harmonizações, tipos de uvas, como ele é feito, e até sobre drinks. Vai ser uma experiência bem bacana poder compartilhar isso com vocês e espero que gostem.

Hoje, quero escrever sobre o conteúdo do primeiro vídeo que gravei para o canal do Enobacana no YouTube. 5 dicas básicas para começarmos a beber vinho. E o mais importante! Gostar de beber vinho. São detalhes que fazem toda a diferença na hora de bebermos o vinho. Principalmente se formos marinheiros de primeira golada (hahahahaha adoro fazer esses trocadilhos). Lembrando que sempre, o melhor vinho é aquele que você gosta. Mas isso não quer dizer que ele seja mesmo o melhor, pois critérios são utilizados e estudados para definir a qualidade de cada vinho produzido. Bom, vamos lá para as dicas!

– Se nunca bebeu vinho, escolha o tipo de vinho que se adapte ao seu paladar

Algumas pessoas chegam até mim, sabendo que eu gosto de vinhos, e me falam que gostariam de aprender a beber vinho. Minha resposta é sempre a mesma. É só beber! Mas eu sempre explico que escolher o tipo certo de vinho para seu paladar naquele momento, é a melhor opção. Se o seu paladar não está treinado a beber algo com taninos (que é a substância presente na uva tinta que nos traz a sensação de adstringência na boca), melhor começar aos poucos. A melhor maneira é começar com um vinho branco, que não tem taninos e ir evoluindo na cor aos poucos.

O importante é saber e prestar atenção no que você está bebendo. A cada gole, a cada giro que dá com o vinho na taça, tente aprender sobre aquele vinho, mesmo que não saiba de nada, mesmo que não consiga identificar nada no momento. Tudo é uma questão de treino e só vamos estar treinados, bebendo. Não tem outra forma. Portanto, comece com um branco, vá para um Rosé (que geralmente é bem aceito por ter aromas de morango e ser um vinho leve, fácil de beber e harmonizar), depois comece com os tintos mais leves, como os da uva Pinot Noir, Gamay, Beaujolais. E assim vá subindo na escala e explorando os diversos tipos de vinhos que existem.

– O valor realmente faz diferença, evite vinhos muito baratos

Infelizmente, não tem como fazer um bom vinho custando pouco. A menos que esteja na Europa (onde os vinhos são mais “baratos”), fica difícil aqui no Brasil, com a quantidade de impostos pagos, com o valor do dólar e do euro, encontrarmos um vinho bom custando 25 reais. Existem vinhos que agradam paladares nesse valor? Claro! Mas isso não significa que o vinho seja bom, pois geralmente ele tem uma série de defeitos que os mais leigos não entendem e não percebem. Tudo bem quanto a isso, pois ninguém precisa ser um expert no assunto. Minha dica é para que você escolha vinhos básicos acima de 50 ou 60 reais.

Aqueles vinhos para tomarmos no dia a dia. Não estou falando para tomarem vinhos de 300 reais todos os dias (imagina se isso fosse possível hahahaha), mas evite tomar vinhos baratos, pois eles realmente possuem um motivo por serem baratos. Geralmente, são feitos de maneira mais “em grande escala”, com sua fermentação em barricas usadas, ou sabe quando a gente espreme algo até sair quase tudo de lá? Então, esses vinhos baratos são feitos após o melhor da uva já ter sido extraído. Por isso eles conseguem reduzir os valores. Fica a dica.

– Tem que beber na taça feita para vinhos

Existem razões para bebermos vinhos nas taças certas. As duas taças básicas que devemos ter são de dois tipos. A Bordeaux e a Borgonha. Quando estudamos um pouco sobre vinhos, entendemos que a taça Bordeaux leva esse nome por ser perfeita para vinhos encorpados, como Cabernet Sauvignon, Malbec, Tannat, etc. São vinhos mais intensos e que precisam de um corpo grande e uma borda mais estreita para que possamos manter mais os aromas ali, para sentirmos. Já a Borgonha, é feita para vinhos mais leves, como Pinot Noir, a estrela da região da Borgonha, na França. Ela é a famosa taça balão, com um corpo bem grande e uma borda mais larga, para que ao rodarmos o vinho na taça, ele entre em contato com mais ar, para que possamos sentir melhor os aromas. Com essas duas taças, já podemos iniciar nossos trabalhos com vinhos tintos.

– A temperatura do vinho vai te trazer experiências diferentes

Cada vinho tem sua temperatura certa. Se um vinho tinto estiver quente, ele vai ficar mais “chocho” e sem graça. Se ele estiver muito gelado, vai “amarrar” mais a boca. Portanto, a temperatura ajuda na sua experiência com os vinhos, seja ela perfeita ou ruim. Os espumantes precisam ser servidos gelados, na menor temperatura de serviço, que é de 3 a 7oC. Os brancos e rosés, precisam ser servidos um pouco menos frios, de 7 a 13oC. Já os tintos, variam de 13 a 16oC para os vinhos mais leves e de 16 a 20oC para os vinhos mais encorpados. Isso não tem negociação.

– Harmonizações básicas costumam funcionar

Sabe aquela história de “vinho para carnes branca e vinho tinto para carnes vermelhas”? Ela não está de todo errada. Claro que existem detalhes em todas as harmonizações e confesso que harmonizar é algo que exige muito da nossa competência como sommelier, exige muito conhecimento. Por isso, harmonizar é uma arte. Mas não é impossível fazer algo bacana sem conhecer do assunto. Vinhos brancos e rosés funcionam bem com queijos, carnes leves e brancas, frutos do mar, peixes e até com saladas. Vinhos tintos funcionam bem com pratos com carne vermelha e carboidrato. Basicamente, mas existem detalhes que são decisivos na hora de combinar o vinho com a comida. Por ora, o que você precisa saber é isso. As harmonizações básicas, funcionam bem.

Espero que tenham gostado do texto. Vou deixar o link para o vídeo no YouTube aqui embaixo e aproveitem para se inscrever no Canal Enobacana. Vou sempre trazer dicas e coisas interessantes para todos os amantes de vinho. Santé e até a próxima!

4 Comentários

    • Helio Rodrigues -

    • 20 de janeiro de 2020 at 21:18 pm

    Eu e minha esposa , gostamos de tomar vinho,mas não sabemos qual comprar e harmonizar com a comida.

      • Talita Bortolussi -

      • 21 de janeiro de 2020 at 08:22 am

      Helio, se quiser posso te mandar um email com um texto que escrevi sobre harmonizações. Me avise aqui se quiser e para qual email eu envio.
      Obrigada por comentar
      Talita

        • Brasilino Correa -

        • 25 de janeiro de 2020 at 06:54 am

        Preciso de informações básicas de vinhos para principiante. Utilize meu e-mail.
        Agradeço.

  1. […] 5 dicas básicas para você começar a beber vinho (e gostar) […]

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *