3 fundamentos básicos para entender sobre vinhos

Pois bem. Dando sequência ao texto anterior aqui do Enobacana, onde eu dei 5 dicas para quem quer começar a entender sobre vinhos, hoje venho contar sobre 3 fundamentos que devemos saber para entender melhor sobre essa bebida que somos apaixonados. São coisas básicas e vou tentar ser o mais clara possível para que todos possam entender. Lembrando que a melhor maneira de entender sobre vinhos, é bebendo. Portanto, fiquem ligados nos próximos textos e para quem ainda não segue, temos canal no YouTube chamado Enobacana e também uma página no Instagram no @enobacana Vamos?

– O que é vinho?

Parece uma pergunta idiota, mas quem consegue responder exatamente a essa pergunta? Então, lá vai a resposta. Vinho é uma bebida alcoólica feita a partir da fermentação de uvas. Podemos fazer com a fermentação de qualquer fruta, mas o vinho nosso de cada dia é feito com a fermentação de uvas viníferas. O Brasil é o único país no mundo que é permitida a fermentação de uvas não viníferas também (o que implica numa série de problemas que vou contar mais adiante). As uvas viníferas são diferentes das uvas não viníferas. Resumindo, as uvas que comemos, essas que encontramos no supermercado, são as uvas não viníferas. Elas não foram feitas para se produzir um bom vinho. As viníferas são menores, sempre tem sementes e costumam ser mais doces.

O vinho contém basicamente água, álcool e uma pequena porcentagem de outras substâncias, como glicerol, ácidos, açúcar, minerais, etc. Para se produzir vinho, existem técnicas que devem ser seguidas, desde o plantio até a hora de colocar na garrafa. Para se produzir boas uvas, é necessário ter o clima certo. O clima temperado é o ideal para as uvas, com dias quentes, noites frias e uma amplitude térmica baixa (que é a média entre os extremos de temperatura). Clima mais frio costuma gerar vinhos mais ácidos. Clima mais quente costuma gerar vinhos com sabores e aromas mais maduros. Um vinho pode ser varietal (que é quando existe uma só variedade de uva na produção dele, que pode ser o tipo da uva e até a safra) ou pode ser um blend (ou também chamamos de corte, que é quando se misturam as uvas para aumentar a complexidade do vinho).

– Quais são as características importantes dos vinhos?

Quando estamos degustando um vinho, devemos nos atentar a basicamente 5 características do vinho que devemos analisar (vou explicar aqui rapidamente sobre elas, mas nos próximos textos e vídeos vou falar mais detalhadamente sobre cada uma delas). Doçura, acidez, corpo, taninos e álcool. Todas essas características podemos avaliar somente quando colocamos o vinho na boca. Claro que na análise visual podemos imaginar e já tentar adivinhar algumas coisas, mas a veredito vem quando bebemos o vinho.

Falando rapidamente sobre cada uma delas. Doçura resulta da quantidade de açúcar residual que existe no vinho. É a sobre dos açucares do mosto (chamamos de mosto o suco que obtemos pressionando as uvas) que não foram convertidos em álcool pelas leveduras durante a fermentação. Existem vários níveis de doçura e chamamos de seco, aquele vinho que não sentimos doçura alguma. Acidez é aquela sensação que nos faz querer beber mais um pouco do vinho. Sem acidez, o vinho fica sem graça. Os ácidos do vinho veem das próprias uvas, como em todas as frutas. Se estiver mais verde, tem mais ácidos. Mais madura, menos ácidos.

Taninos são polifenóis que nos dão aquela sensação de amarrar a boca, de adstringência. Eles estão presentes mais nas cascas das uvas e em vinhos brancos eles não existem, pois os mesmos são fermentados com uvas sem casca. Existe uma pequena quantidade de taninos nas sementes também e as barricas novas de carvalho podem dar taninos aos vinhos também. O álcool no vinho é obtido pela conversão do açúcar da uva para álcool, na fermentação. Ele pode estar em excesso ou não. Geralmente existe um equilíbrio entre álcool e acidez que sempre precisamos analisar. Corpo no vinho é o peso que o vinho faz quando o colocamos na boca. Dependendo da uva, temos que esperar mais ou menos corpo. Para analisar o corpo de um vinho, devemos entender de qual uva estamos bebendo, para saber se esperamos mais ou menos corpo.

– Como acontece o manuseio do vinho?

São 3 etapas que precisamos analisar antes de abrir uma garrafa de vinho. Precisamos deixar o vinho na temperatura certa de serviço, abrir da maneira correta a garrafa e saber se o vinho precisa ou não de aeração e escolher as taças corretas, entre a Bordeaux e a Borgonha, quando falamos de vinhos tintos (basicamente essas duas taças já dão conta do recado, como mencionei no texto anterior).

As temperaturas variam conforme o tipo de uva que o vinho foi feito. Se for um espumante, devemos servir gelado, entre 3 a 7oC. Se for um branco ou até o rosé, devemos servir menos frio, entre 7 a 13oC. Se for um vinho tinto leve, devemos deixar a temperatura entre 13 a 16oC. Se for vinho tinto de médio corpo aos fortificados, devemos servir entre 16 a 20oC. A temperatura vai influenciar diretamente na sua experiência tomando o vinho, por isso fique atento nisso. A temperatura precisa ser correta.

Para servir um vinho, basicamente precisamos de um abridor de vinho. Devemos remover o anel da cápsula protetora da rolha, inserir a espiral bem no centro da rolha e descer até quase o fim da espiral. Sabe aquele PLOC que escutamos quando tiramos a rolha? Não precisa disso, ok?! Podemos simplesmente tirar a rolha e escutar somente um PSSSS. E só. Se for abrir uma garrafa de espumante, remova a proteção, abra a gaiola e remova a rolha girando com sua mão, sem tirar a gaiola e com um pano. A pressão dentro de uma garrafa de espumante é bem alta e fazendo dessa maneira, evitamos acidentes. Se quiser aerar um vinho, faça isso. Vai liberar mais aromar e deixar o paladar mais macio, neutralizando alguns ácidos que podem incomodar.

Sobre a taça, basicamente são essas duas dos modelos aqui embaixo. Para vinhos mais encorpados, usamos a taça modelo Bordeaux. Para vinhos mais delicados, usamos a taça no modelo Borgonha. O material é o cristal feito de chumbo mesmo e pode ficar tranquilo que não vai se contaminar com nada, pois a porcentagem é bem baixa e você não vai deixar o vinho por dias lá. As de vidro funcionam também, mas não tem o mesmo charme (hehehehe).

Dito tudo isso, agora vocês estão preparados para os próximos passos. Aguardem que logo vem mais textos sobre vinhos para vocês. Espero que estejam gostando do Enobacana.

Para saber mais sobre vinhos, leia esse texto sobre 5 dicas básicas para começar a beber vinho!

5 dicas básicas para você começar a beber vinho (e gostar)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *